Pular para o conteúdo

seios

Axilismo – o fetiche por axilas

Dias atrás recebemos um email que dizia o seguinte:

E como no post está escrito casal fetichista, eu particularmente tenho vários fetiches e um deles gostaria de partilhar com vocês. Que fetiche por axilas femininas, eu adoro essa parte corpo da mulher, seja em qualquer posição que mulher exibe a tornar sensual e femina, seja no simples gesto de arrumar o cabelo ou deitada nua de pernas abertas e braços erguidos faz da mulher mais feminina e sensual.”

Sabemos que, na teoria, qualquer coisa pode ser objeto de fetiche – e, num mundo com sete bilhões de pessoas, há gente sentindo tesão por tudo que se possa imaginar. Mas, admitimos que mesmo assim ficamos um pouco surpresos ao perceber que há pessoas que são atraídas por suvacos. Para nós, essa área do corpo nos remete a pêlos, suor e mau cheiro, e nada mais.

Contudo, mesmo essa não sendo a nossa praia, gostamos de quem nos surpreende e pensa fora da caixinha. Assim, para agradar aos adeptos do axilismo – que, mui adequadamente, é o nome que se dá ao fetiche por axilas – decidimos tirar algumas fotos tendo o suvaco como grande estrela. Esperamos que apreciem!

Mulher mostrando a axila e o seio
Não, não forçaremos a barra a ponto de dizer “que suvaco delicioso!” (mas esse peito…)
Continue a ler »Axilismo – o fetiche por axilas

Shibari: nossas primeiras experiências

Todo fetichista é um curioso, por definição. Pessoas que sentem tesão por coisas inusitadas, e se dispõem a colocar isso em prática, são muito fora da caixinha quando comparadas ao homo sapiens médio. Como bons fetichistas que somos, não desprezamos nossos instintos exploratórios e estamos sempre prontos a vivenciar novas experiências, nem que seja só para tentar entender o fascínio que elas exercem. Assim, era quase inevitável que em algum momento experimentássemos aquele que, junto com a podolatria, é um dos fetiches mais conhecidos mundo afora: o shibari.

Eu, sra. Fetichista, via aquelas amarrações quando era jovenzinha e as achava o máximo: eram bonitas, excitantes e simbolizavam a total submissão – contudo, como não havia encontrado ninguém que apreciasse essa prática, ou que pelo menos tivesse as mesmas curiosidades que eu, por muito tempo fiquei apenas na vontade. Isso durou até que conheci o sr. Fetichista, que tem uma curiosidade tão aguçada quanto a minha e também não tinha, até aquele instante, encontrado com quem se aventurar nesse mundo.

Apesar disso, ainda levamos um tempo para tentar o shibari porque ele parece demandar um esforço de aprendizagem significativo. Isso é reflexo de seu status quase artístico, que vem desde suas origens – o shibari descende do Hojojutsu, técnica/arte surgida no Japão imperial entre os séculos XVII e XIX e utilizada pelos samurais para restringir os movimentos de prisioneiros usando cordas.

A origem do shibari no Japão imperial
A Bangu VIII do Japão imperial (fonte)

Interessante observar o contraste: hoje em dia muitos consideram o shibari não apenas uma expressão artística, mas também uma ferramenta de libertação emocional, algo quase teatral. Nós, que buscamos o sensorial, denominamos isso carinhosamente de “punheta mental”, e cada perfil de Instagram que víamos enfatizando esse lado e desprezando o evidente apelo sexual reduzia um pouco mais o nosso interesse. Não buscávamos um fim em si, mas uma ferramenta que agregasse novas sensações às nossas putarias, e isso fez com que progressivamente adiássemos qualquer tentativa nessa linha. Mas, cabeça vazia é a oficina do Diabo, e em uma bela tarde ociosa de domingo resolvemos nos aventurar pelo shibari à nossa maneira, freestyle.

Calcinha feita de cordas (shibari)
Esse nó pressionando o grelo é o tipo de shibari que buscamos!
Continue a ler »Shibari: nossas primeiras experiências

Aventuras na zona do meretrício carioca: um tour por São Cristóvão

Garota de programa esperando cliente

Desde as ancestrais de Maria Madalena até as contemporâneas de Lays Peace, prostitutas ocupam um lugar cativo no imaginário de homens e mulheres. Para eles, significam o alívio do sexo fácil, sem outros compromissos que não o próprio prazer; para elas, concorrência associada a um certo despeito, inveja até. Não há como ser indiferente ao estereótipo de uma mulher de salto alto, roupas provocantes e zero pudor, e sabendo desse impacto embarcamos numa aventura pelos arredores da Quinta da Boa Vista, tradicional zona do meretrício localizada em São Cristóvão, Rio de Janeiro.

Continue a ler »Aventuras na zona do meretrício carioca: um tour por São Cristóvão